Rua do medo Revisão completa da Trilogia.

Confira Revisão completa da Trilogia de Rua do medo.



Rua do medo Parte 1: 1994: Revisão do Filme



Inspirada nos livros sangrentos de RL Stine com o mesmo nome, a trilogia da Netflix segue um grupo de amigos enquanto eles investigam os segredos por trás de uma série de assassinatos sangrentos em sua cidade natal, Shadyside. Este conto macabro não é uma adaptação direta de nenhum romance específico de Stine, no entanto. Em vez disso, a diretora Leigh Janiak se juntou a seu co-roteirista de Lua de Mel para criar uma história inteiramente nova, a primeira parte da qual aterrissou na plataforma de streaming nesta sexta-feira. Embora provavelmente não seja necessário verificar três vezes as fechaduras da porta, é provável que você se entretenha o suficiente para voltar para buscar mais.

Fear Street Part 1: 1994 joga de forma relativamente direta com o tom e o humor de seu material original, honrando o delicado equilíbrio entre horror e humor que continua a atrair gerações de jovens leitores para o trabalho de Stine, enquanto também presta homenagem a clássicos do terror moderno como Scream . Mesmo que as convenções sejam familiares, o filme consegue empolgar graças a uma impressionante variedade de jovens talentos, uma trilha sonora de suspense apropriada e uma forte dose de nostalgia dos anos 90.


Shadyside e Sunnyvale, as cidades vizinhas no universo de Fear Street , não poderiam ser mais diferentes. Enquanto Sunnyvale ostenta um passado histórico, sucesso e prosperidade, Shadyside parece mais dilapidado, atolado na pobreza e amaldiçoado por ciclos de assassinatos horríveis. A montagem de abertura do filme cataloga alguns deles, desde um leiteiro que matou donas de casa a 12 pessoas massacradas em um acampamento de verão agora demolido. O homicídio mais recente envolveu Heather (Maya Hawke de Stranger Things ), estudante do ensino médio de Shadyside , que no início do filme vemos trabalhando no shopping com seu amigo Ryan (David W. Thompson). Algumas cenas depois, ele esfaqueia ela e outras oito pessoas.


Ninguém sabe por que Shadyside é amaldiçoado, mas alguns suspeitam que Sarah Fier, uma bruxa queimada viva há séculos, lançou um feitiço na pequena cidade. Ou pelo menos essa é a teoria que Josh (Benjamin Flores Jr.) apregoa em sua sala de bate-papo da AOL, onde passa a maior parte do tempo. É o irmão mais novo de Deena (Kiana Madeira), um miúdo que não consegue olhar nos olhos da sua paixão mas possui um conhecimento enciclopédico da história da sua cidade e dos filmes de terror. Deena, por outro lado, é sombria e mais áspera nas bordas. Hoje em dia, ela pode ser encontrada lamentando o fim de seu relacionamento com a namorada Sam (Olivia Scott Welch).

A Parte 1 teve um início lento, com uma configuração um tanto desajeitada. Existe a rivalidade entre os jovens de Sunnyvale e Shadyside, o que explica porque Deena e Sam se separaram. Também somos apresentados ao círculo íntimo de Deena, incluindo Katie (Julia Rehwald), a líder de torcida superdotada que vende drogas paralelamente, e Simon (Fred Hechinger), um loiro descontraído que ajuda a sustentar sua família trabalhando no supermercado .


A verdadeira ação só começa aos 30 minutos, quando, após uma vigília por Heather, um casal de jogadores de futebol de Sunnyvale começa a perseguir o ônibus que leva os adolescentes de Shadyside para casa. Deena vê Sam no banco do passageiro do carro de Sunnyvale e em um acesso de raiva joga um refrigerador cheio de suco (ou algo assim) para fora da saída de emergência. O movimento descarrila o carro, que desvia para a floresta e bate no local onde a bruxa está supostamente enterrada. Coisas estranhas começam a acontecer logo em seguida, e cabe a Deena e seus amigos descobrir o que está acontecendo.

Como Scream , Fear Street Parte 1 tem consciência de si mesmo: os personagens se referem a filmes como Tubarão e Poltergeist e estão familiarizados com os tropos do gênero. Mas está claro que o filme quer ser mais subversivo do que seus antecessores, principalmente substituindo as pessoas tipicamente brancas e heterossexuais que estão no centro desses filmes por aquelas de origens historicamente marginalizadas.


É emocionante ver um casal de lésbicas no centro de um filme de gênero, especialmente um voltado para adolescentes, mas eu gostaria que o relacionamento de Deena e Sam tivesse mais espaço para respirar; Eu trocaria a configuração excessivamente envolvida e a cena do crime de abertura por mais tempo com os dois adolescentes. Definir o filme nos anos 90 menos amigável para LGBTQ aumenta o risco de seu relacionamento, mas nunca entendemos completamente o que os une. O mesmo pode ser dito dos outros personagens, cujas personalidades parecem apenas esboçadas.


Fear Street Part 1 quer ser um filme inteligente, e em muitos aspectos é. Não está claro se a rivalidade entre Shadyside e Sunnyvale pode ter começado por causa das diferenças de classe entre seus residentes - mas é definitivamente exacerbada por eles, e Janiak faz um trabalho muito bom tecendo sutilmente essa análise ao longo da narrativa.

Ainda assim, entrar neste território exige uma certa consideração dos tropos nos quais você deseja investir e aqueles que deseja subverter. Faz sentido centrar os historicamente marginalizados, mas ainda assim vender certas imagens e desenvolvimentos - Katie convocando as duas garotas negras que ela está cuidando para ajudá-la a embalar as drogas; um homem negro preso sem nenhuma evidência - sem pensar muito em como eles poderiam ser lidos? Essas são inconsistências aparentemente menores, mas vale a pena apontá-las. Fear Street Parte 1 é divertido e atinge suas marcas com talento suficiente - estou certamente motivado para ver os próximos dois episódios - mas às vezes a chave para a subversão está nos detalhes.


(Fonte: https://bityli.com/vjyyP)



Rua do medo Parte 2: 1978: Revisão do Filme



Como filho do meio da trilogia, Fear Street Parte 2: 1978 não tem o brilho de uma estréia cuja novidade imediatamente prende os espectadores, nem o fascínio de um final, com sua promessa de revelações e pontas soltas. Mas isso não impede o diretor Leigh Janiak de se divertir. A Parte 2 é sua própria aventura emocionante que apresenta um elenco dinâmico de personagens e revela muitos e muitos assassinatos sangrentos.


Janiak, com a ajuda do desenhista de produção Scott Kuzio e da figurinista Amanda Ford, também faz este filme parecer diferente do anterior, imergindo os espectadores nas vibrações psicodélicas em tons dourados dos anos 70. Apesar do ritmo às vezes tedioso e do script repetitivo, é um assassino de sentimento clássico que se delicia com sangue - pense na sexta-feira 13 -  é um exemplo afirmativo da confiança de Janiak por trás das câmeras.

A história que Berman conta começa na manhã da Guerra das Cores, uma competição anual entre os participantes de Shadyside e Sunnyvale no Camp Nightwing. É julho de 1978 e o acampamento, que parece um kumbaya forçado entre duas facções rivais, está transbordando de energia caótica. O terreno bucólico - um lago que brilha ao sol, amplos campos verdes abertos - não pode mascarar a história sinistra do local: é onde Sarah Fier fez um acordo com o diabo em troca da imortalidade.


Claro, isso é apenas uma história contada para assustar os campistas. A verdadeira energia demoníaca, pelo menos no início do filme, vem da rivalidade amarga entre os campistas de Shadyside e Sunnyvale, que se revezam pregando peças perigosas uns nos outros. No centro dos atos mais ameaçadores estão Ziggy Berman (Sadie Sink) e Sheila (Chiara Aurelia), duas campistas cujo desdém mútuo é ilimitado e assustadoramente palpável. No início do filme, Sheila e sua gangue penduram Ziggy em uma árvore e tentam queimá-la viva.

Antes que qualquer dano real seja feito, porém, os conselheiros Nick Goode (Ted Sutherland) e Kurt (Michael Provost) intervêm. Eles libertaram Ziggy, mas só depois de culpá-la por iniciar a luta e emitir um aviso severo sobre sua presença contínua no acampamento. (Este é o quinto golpe dela.) Ziggy, ousada e imperturbável, mostra-os antes de correr para a enfermeira Lane (Jordana Spiro), que a ajuda a enfaixar a ferida de queimadura, e sua irmã mais velha Cindy (Emily Rudd), que não é nada reconfortante . Cindy, uma conselheira do acampamento este ano, admoesta sua irmã mais nova por se meter em problemas novamente. Suas principais preocupações são seu namorado igualmente perfeito, Tommy (McCabe Slye), e economizar dinheiro suficiente para sair de Shadyside.


Muitos dos personagens de Fear Street Parte 2 se comportam da mesma maneira que os da Parte 1 , o que faz sentido, uma vez que o principal interesse da trilogia está em ciclos e repetição. Cindy encarna o Shadysider que aspira escapar contra todas as probabilidades, enquanto Ziggy é mais fatalista. “Ninguém sai desta cidade, nem mesmo a Srta. Perfeita”, diz ela. “Aposto que você está saindo e será atropelado por um ônibus.” A briga deles ecoa um argumento semelhante ao que Deena e Sam (Olivia Scott Welch) têm no início de Fear Street Parte 1 . Apesar da familiaridade de seus personagens, entretanto, Sink e Rudd fazem os seus papéis. Sink, que muitos conhecerão como Max de Stranger Things , acerta a adolescente imprudente e temperamental certa de que ninguém consegue se identificar com ela.

Mas é a transformação de Cindy que se torna uma das mais gratificantes de assistir. No início do filme, ela possui um compromisso inabalável com a lógica e uma recusa cega em acreditar no sobrenatural. Mas tudo muda na noite da Guerra das Cores, quando o espírito de Sarah Fier tem como alvo o namorado de Cindy, Tommy. Ele enlouquece e começa a hackear campistas e conselheiros com um machado. A perigosa reviravolta nos acontecimentos encoraja Cindy, que deixa de ser uma resmungona calada a uma tagarela e falastrona empunhando uma pá e decidida a proteger seus amigos e irmã mais nova.


Para mim, as melhores partes de Fear Street Parte 2 são aquelas em que o drama adolescente ocupa o centro do palco - desde os casais românticos ilícitos até as rixas malucas e as pegadinhas. Os puristas de gênero ficarão aliviados por nada disso acontecer às custas de cenas de assassinato horríveis; Janiak não poupa ninguém e não faltam mortes inventivas. Enquanto os campistas eram mutilados ou cortados em dois, com sangue jorrando de suas entranhas e manchando as camisas e a psique daqueles que sobreviveram, estremeci ao pensar no que a Parte 3 tem reservado para nós.



(Fonte:https://bityli.com/gNyiW)



Rua do medo Parte 3: 1666: Revisão do Filme

No final da Fear Street Parte 2 , Deena (Kiana Madeira) e seu irmão, Josh (Benjamin Flores Jr.), retornam ao cemitério da bruxa Sarah Fier na esperança de quebrar a maldição e trazer de volta a namorada de Deena, Sam (Olivia Scott Welch), que foi possuído pela energia demoníaca ondulando por Shadyside. De acordo com a lenda, quem quer que reúna a mão esquelética de Fier com seu corpo (eles estão enterrados em diferentes partes da cidade) pode acabar com os assassinatos em Shadyside. Mas quando Deena faz isso, ela é transportada para o ano de 1666, onde observa os eventos responsáveis ​​por suas aflições contemporâneas se desdobraram.


Janiak cria um simulacro sinistro, habilmente escalando os atores dos primeiros filmes como colonos do século XVII. Madeira agora interpreta Fier e Welch, sua amante, Hannah Miller. O assentamento, ainda não dividido em Sunnyvale ou Shadyside, é simplesmente chamado de Union. Atores que interpretaram amigos nos filmes anteriores aparecem como membros desta comunidade, e Janiak e seus co-roteiristas Phil Graziadei e Kate Trefry chegam ao ponto de fazer alguns deles pronunciarem falas exatas desde a primeira parcela - uma abordagem que mostra o diretor inventividade e ressalta as preocupações mais amplas do filme sobre como o passado assombra o presente. Madeira apresenta um forte desempenho como Fier e McCabe Slye (que interpretou Tommy Slater em Parte 2) como Mad Thomas, o fanático autoproclamado profeta da cidade, traz uma leviandade sardônica ao conto às vezes sério.

Exceto pelos infelizes sotaques, que não pude identificar geográfica ou temporalmente e que os artistas lutam para manter, a primeira metade da Parte 3 é um experimento nobre em imergir os espectadores na história de um lugar, em vez de depender de flashbacks finos. O filme apresenta as principais figuras da cidade - como o pastor exigente (Michael Chandler) e o solitário Solomon (Ashley Zukerman), o único aliado de Fier - nos envolve na política local e nos dá vislumbres da vida cotidiana.


Mas é difícil sentir algo mais do que apatia para com os puritanos e mordazes da cidade, cujas atitudes em relação à diferença tornam-se redundantes e cansam depois de um tempo. Essa lembrança extensa pode ter nos dado mais do que já sabíamos sobre a comunidade, que é que eles desprezam o que não entendem e acham mais fácil lamentar sobre as bruxas do que olhar para si mesmas e umas para as outras.

É fácil prever o que acontecerá a seguir quando Deena retornar ao seu corpo em 1994. Armada com o conhecimento do verdadeiro vilão de Shadyside e como detê-los, ela corre contra o relógio (e os monstros que perseguem ela e seu irmão) para salvar sua cidade . No passeio de carro até o shopping, onde ela - junto com a ajuda de C. Berman (Gillian Jacobs), a única pessoa a sobreviver ao massacre de Shadyside e o personagem central da Parte 2 - colocará em prática um plano para prender o assassino , Deena resume o que ela aprendeu no passado para seu irmão.


A segunda metade de Fear Street Parte 3 é essencialmente Fear Street Parte 4: 1994 (de novo) , com a trama começando de onde o primeiro filme parou. Quaisquer que sejam as emoções modestas que esta seção oferece, derivam menos das revelações (que um espectador atento já terá antecipado) e mais das maquinações que a equipe improvável inventa para impedir que os zumbificados assassinos em série Shadyside os perseguem. Existem algumas armadilhas inteligentes aqui, que eu não vou estragar, e assistir a gangue esfaquear e cortar monstros é sempre um prazer.

Ainda assim, no final de Fear Street Parte 3 , quando o mistério foi resolvido e a justiça ostensivamente cumprida, fiquei mais aliviado do que qualquer outra coisa. Tinha sido um furacão de viagem, mas eu estava feliz por ter saído disso.

(Fonte: https://bityli.com/yeC1n)




































Comentários

Loki: Das Mitologias Nórdicas ao Universo Cinematográfico da Marvel

Loki: Das Mitologias Nórdicas ao Universo Cinematográfico da Marvel
Olá, amante do Universo Marvel e fã do Deus da Trapaça! Se você está aqui, é porque, assim como eu, tem um profundo interesse pelo personagem Loki e suas incríveis aventuras no Universo Cinematográfico da Marvel. Neste conteúdo, vamos explorar as origens fascinantes de Loki, suas curiosidades mais intrigantes e até mesmo alguns dos easter eggs encontrados na primeira temporada da série "Loki." Prepare-se para uma viagem emocionante através do tempo e do espaço enquanto mergulhamos na história deste personagem icônico da Marvel. Vamos lá!

INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL DE GAMEPLAY

Leia Mais...

Top 10: Confira as séries de anime altamente assistidas no mundo

One Piece: principais Personagens e suas histórias e habilidades

Resident Evil 4 Remake: O Mod Insano que Transforma Tudo em Infinito